quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

sábado, 13 de dezembro de 2008

HQ REENCANTA A EDUCAÇÃO


Val Rocha
Educadora, Licenciada em História/UFBA,
Especialista em Potenciais da Imagem e Comunicação Social/UFBA, Professora em trânsito da FACED/UFBA



Despertando o prazer pela leitura e a escrita, as Histórias em Quadrinhos são sedutoras fontes de aprendizagens que desenvolvem a inteligência criativa, a capacidade de ler, escrever e interpretar o mundo com senso crítico e poético, além de estimular a formação de valores importantes para a convivência com o meio ambiente, com o outro e consigo mesmo.

O mundo contemporâneo instituiu uma ambiência audiovisual que permeia todas as relações e atividades humanas. A leitura e o sentimento de mundo hoje se dão muito mais através da linguagem imagética, auditiva e simbólica, do que através do letramento, da escrita. O código letrado, que é de fundamental importância para a convivência e produção social, exige maior concentração e um conhecimento mais elaborado. A linguagem visual e auditiva possibilita uma comunicação instantânea, com sentido e significado que despertam memórias, sensações, emoções, o que facilita a compreensão, o reflexo, o diálogo, questionamentos e afirmações.

Um outro fator que estimula a linguagem visual é o tempo. A rapidez e a pro-fusão de fatos, acontecimentos e o estímulo intenso ao consumo, impõem uma comunicação mais rápida também. Do ponto de vista educacional, a escola permanece na era da escrita sem problematizações, sem hipóteses, insistindo na audição “memorativa” de conteúdos quase sempre desconectados da realidade cultural do grupo de alunos. Acredito que esses dois fatores aliados têm provocado o desinteresse de crianças e jovens pela leitura. Um desafio que exige novas estratégias para a apreensão do código letrado.

As HQs encantam tanto o público infanto-juvenil como também os adultos, com os personagens e seus dramas humanos; o humor, o traço, as cores, as culturas; as ambiências referentes ou o realismo fantástico, estimulando a criação de roteiros, a recriação e adaptação de historinhas; a pesquisa, o entendimento de conteúdos, além de incentivar outras estratégias com linguagens como: a dramatização, a escrita livre, o diálogo, a música, o cordel, a intertextualidade, o despertar de talentos diversos. São muitas as atividades que professores e alunos podem desenvolver, e já estão desenvolvendo, em nossas escolas, utilizando as histórias em quadrinhos.

A Turma do Xaxado tem um aspecto singular para a educação de crianças: os personagens e a ambiência são nordestinos, retratam nossa cultura, nossos problemas e potencialidades. A turma é inteligente, afetiva, criativa e o diálogo tem argumentos altos, de nível crítico, humorístico e poético. Essa turma tem sido uma grande aliada das escolas do Brasil, onde estudantes de todas as idades têm descoberto e ampliado o prazer pela leitura e a escrita criativa.

A Turma do Xaxado sente-se orgulhosa em estar contribuindo, com muito carinho, para a redescoberta desse prazer perdido.

(texto publicado no prefácio do livro IMAGINAÇÃO e Outras Histórias da Turma do xaxado)

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Tiras da Turma do Xaxado


Penso que a Turma do Xaxado não é só para crianças inteligentes, é principalmente para os adultos que estão deixando de pensar corretamente.

Mabel Velloso

Escritora, poeta, letrista e educadora

domingo, 7 de dezembro de 2008

CONHEÇA A TURMA DO XAXADO


A Turma do Xaxado é formada por personagens tipicamente brasileiros, cada um com seu jeito próprio de falar, pensar e agir, passando pelas várias classes econômicas, graus de instrução etc. É uma turminha heterogênea como o povo brasileiro, vivendo historias que falam da nossa terra, encantos e problemas, mas sem perder de vista a universalidade da experiência humana.


Xaxado é neto de um famoso cangaceiro que vivia com o bando de Lampião. Sensível, alegre e sempre atento às belezas e problemas da vida no campo, Xaxado é como um sol ao redor do qual circulam todas as outras personagens e histórias da turma.

Zé Pequeno tem fama de ser um menino preguiçoso, que passa o dia inteiro dormindo, mas isso não é verdade. Quem conhece Zé sabe que ele também fica pescando, ouvindo música, namorando, inventando desculpa pra não ir pra aula, tomando banho no rio, subindo em árvore, passeando de jumento, fugindo do trabalho...

Marieta vive corrigindo a fala “errada” dos outros. Para ela, isto é muito mais do que um passatempo, é uma verdadeira cruzada em defesa da língua portuguesa. Apaixonada por livros, Marieta adora ler um bom livro, estudar e aprender coisas novas para, um dia, tornar-se professora.

Arturzinho é egoísta, avarento, vaidoso, chato, exibido, insensível, interesseiro... as “qualidades” do nosso amigo são tantas que, para falarmos delas, precisaríamos escrever uma enciclopédia inteira. Filho de um rico fazendeiro, é uma dessas pessoas que acham que dinheiro compra tudo, inclusive as pessoas.

Marinês e Capiba são irmãos muito apegados, mas têm sonhos totalmente diferentes. Enquanto Marinês luta por um mundo onde as pessoas respeitem e cuidem da natureza. Outra preocupação da garota é lidar com Zé Pequeno, o namorado preguiçoso. Capiba quer ser um cantador tão fomoso quanto Luiz Gonzaga e conquistar o mundo com sua música.

Outros personagens fazem parte da Turma do Xaxado: o brincalhão Saci, o Padre guloso, os roceiros Tião e Genuíno Gabola, os pais das crianças, o jumento Veneta, o porco Linguicinha, o cachorro Rompe-Ferro, a galinha Odete, o galo Valdisnei, os urubus Gervásio e Genésio e outros.

Jornada de Literatura leva o escritor Antônio Cedraz ao Pelourinho

A comunidade do Centro Histórico recebeu, no Mês da Consciência Negra, a Jornada de Literatura no Pelourinho. As atividades gratuitas, realizadas pela Fundação Pedro Calmon/Secult, através do Núcleo do Livro Leitura e Literatura (NLLL), aconteceu no dia 28 (sexta-feira), na Praça das Artes, Praça Pedro Arcanjo e Terreiro de Jesus, das 9h às 18h. Voltada para o incentivo do livro e da leitura, a Jornada leva para o Pelô, oficinas de contação de histórias, RAP e criação literária em poesia. A tarde houve encontro com o escritor Antônio Cedraz, autor da “Turma do Xaxado”, formada por personagens sertanejos, ganhadora de vários prêmios e menções honrosas e publicada diariamente no maior jornal do Norte-Nordeste, em revistas de circulação nacional, livros didáticos e adotado em escolas e colégios. A programação contou também com recital de poemas com os grupos de Teatro Viverart Poesia, da Biblioteca Comunitária do Cabula; grupo de Poesias, da Biblioteca Comunitária do Calabar, grupo de contadores de histórias, da Biblioteca Comunitária de Sete de Abril e mostra de vídeos também. A população teve à disposição, durante todo dia, uma Biblioteca Móvel com cerca de 1500 obras, entre livros, revistas e jornais e o Serviço de Atendimento Público de Saúde, com serviços gratuitos. Depois de visitar várias localidades do Estado, esta é a terceira vez que o projeto é desenvolvido no Centro Histórico de Salvador, em parceria com Pelourinho Cultural / IPAC. Seu objetivo é mostrar a importância da leitura, como forma de desenvolvimento pessoal. Sendo um Pelourinho um local, onde a vida cultural é intensa, o livro não poderia ficar de fora desse processo de cidadania. “Por muitas comunidades onde passou, o projeto Jornada de Literatura deixou plantada a vontade de continuar semeando a leitura através de círculos de leitura conduzidos por professores e outras lideranças comunitárias e com o incentivo da Fundação Pedro Calmon, com o seu programa de doação de livros, o Livros à Mão Cheia”, destaca Lúcia Santori coordenadora do NLLL.